quarta-feira, junho 23

PREPOTÊNCIA + INCOMPETÊNCIA + CENTRALISMO


Como se sabe, a Transmaçor foi a evolução da antiga empresa de lanchas do pico...

É certo que o principal incremento da Transmaçor foi feito pelo actual sócio maioritário, José Almeida, à custa de dinheiros que não se sabem bem de onde vieram.

É certo que a transmaçor sempre foi uma "empresa pequena", na medida em que NÃO SERVE O GRUPO ORIENTAL!!!

É certo que a provável pouca experiência e pouca competência de José Almeida neste ramo, associada ao grande capital inicial, disponivel (não se sabe de onde), mas também à sua ingenuidade política são factores decisivos para este facto.

No entanto, o centralismo e prepotência do Governo Regional, contribuiram premeditadamente para o insucesso desejado.

Como é sabido, o Governo protege sempre os seus, nem que seja por 1 cêntimo (Fábrica de Santa Catarina).

Como é sabido, a Atlanticoline ( e o seu brilhante conselho de administração), tem ainda menos experiência e competência do que a Transmaçor...como aliàs foi visível nos inúmeros problemas com a campanha do Verão passado (excepto na linha S. Miguel - Santa Maria).

Como é sabido a Atlanticoline tem altas responsabilidades no excepcional "negócio dos navios".

Como se sabe, o "rombo financeiro" que a Atlanticoline provoca não é pequeno, à sombra da necessidade de aluguer de navios por mais anos indeterminados e à sombra de campanhas ruinosas como a das viagens a 1 euro...

Como é sabido, o movimento anual de passageiros só entre Faial e Pico é de 350000, enquanto que em Ponta Delgada é de 90000...no entanto a excelência de horários na Atlanticoline é na carreira Ponta Delgada Santa Maria (é ver os horários!!!) e a excelência de instalações portuárias de passageiros foi recentemente feita em S.Miguel.

Em tudo isto o Governo injecta capital, disfarça as incompetências e ainda melhora tudo o que for possível...

Pelo contrário na Transmaçor, sendo sócio minoritário, não só tem uma atitude completamente passiva como faz jogadas paralelas para que o sócio maioritário não consiga ajuda e viabilidade...

Parece-me óbvio que não estão em causa as ligações no grupo central, é óbvio que tudo está montado para que "naturalmente" e quase sem se dar por isso o monopólio passe para a Atlânticoline e para a sua administração "marioneta", e o Governo Regional para além de aniquilar o coelho (Almeida) ainda aparece como "salvador" do tráfego de passageiros nas ilhas do triângulo.

Ou seja, o negócio não vai ser dirigido por critérios de rentabilidade económica ou de justa aplicação de recursos, mas sim por critérios políticos e de conveniências pessoais.

Não me admiraria de ver o maior número de ligações, nos dias mais favoráveis (fins de semana), e os melhores barcos numa rota com menos passageiros (Ponta Delgada-Santa Maria), porque na Atlanticoline já é assim.

Mas também não me admiraria de no futuro ser mais fácil ir do Faial para S.Jorge com escala na Terceira ou São Miguel, do que directamente!!!

2 comentários:

cefaria disse...

Praticamente, tudo o que deixei subentendido ou pretendia que os leitores por análise individual pudessem concluir no post do meu blogue está neste comentário claro como água… perfeito!

RD disse...

Este post merecia ser imprimido e colado no cais!